Política G1 - Política

Lula não deve comparecer à posse de novo presidente da Argentina, diz Celso Amorim

Em entrevista ao Estúdio i, nesta segunda-feira (20), o assessor internacional de Luiz Inácio Lula da Silva também comentou sobre como ficará a relação entre Brasil e Argentina após a vitória do ultraliberal Javier Milei.

Por André Miranda

20/11/2023 às 18:48:25 - Atualizado h√°
Em entrevista ao Estúdio i, nesta segunda-feira (20), o assessor internacional de Luiz Inácio Lula da Silva também comentou sobre como ficará a relação entre Brasil e Argentina após a vitória do ultraliberal Javier Milei. Celso Amorim fala sobre relações do Brasil com governo Milei

O assessor internacional de Luiz Inácio Lula da Silva , Celso Amorim, disse em entrevista ao Estúdio i, da Globo News, que o presidente não deve comparecer à posse de Javier Milei na presidência da Argentina.

AO VIVO: Eleito, Milei deve se encontrar com presidente da Argentina

A previsão foi dada pelo assessor, nesta segunda-feira (20), ao ser questionado sobre a relação entre o Brasil e Argentina após a vitória do economista ultraliberal.

"Acho que o presidente Lula, pelo que eu conheço dele, que haja sido objeto de ofensas pessoais, é muito difícil ele ir. Independentemente de outros convites que o presidente eleito Milei tenha feito, eu acho que ele não deve ir", respondeu à pergunta feita por Andréia Sadi.

Apesar das diferenças, Amorim pontua que a relação entre os dois países mais importantes do Mercosul deve ser mantida. Por conta disso, um representante da União deve ser enviado à cerimônia de posse de Milei, prevista para o dia 10 de dezembro.

Desde o início das campanhas eleitorais, o presidente eleito tem feito propostas radicais como promover a dolarização da economia Argentina e acabar com o Banco Central do país.

Milei confirma plano de fechar o Banco Central; conheça outras propostas

Milei também demonstrou falta de interesse em estreitar negociações com os países que integram o Brics, grupo econômico que a Argentina passará a fazer parte a partir do mês de janeiro, e Mercosul.

"A principal prejudicada seria a Argentina, mas isso é uma opinião minha. A Argentina é um país soberano e fará o que ela achar que deve. Agora, vamos lamentar muito, porque isso afetará a estratégia. O Brasil terá que redefinir um pouco sua estratégia na região, mas volto a dizer, eu acho que a principal prejudicada seria a Argentina e eu acho que os empresários argentinos certamente se colocarão contra as hipóteses", opinou Amorim sobre uma possível saída da Argentina do Mercosul.

Questionado sobre como o governo brasileiro deve lidar com tantas disparidades, o assessor de Lula afirmou que a diferença ideológica não deve afetar as negociações entre Brasil e Argentina.

"É natural , digamos, quando você tem afinidade, que as coisas progridem mais (...) Mas, digamos, que a diferença ideológica não é um impedimento".

"Do nosso lado não tem a menor dúvida, haverá pragmatismo. O pragmatismo não quer dizer que você tenha que aceitar ofensas, que você tenha que aceitar ameaças. Isso é uma outra coisa", completou Amorim.

Ouça ainda
Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

O Jornal

© 2023 Copyrigth 2023 - O JORNAL, todos os direitos reservados.
Avenida 9 nº 625 - Sala 8 - Centro - Rio Claro - SP

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

O Jornal