Política G1 - Política

Governo vê semana decisiva para greve de universidades e prepara propostas; veja números em análise

Governo dirá que não há dinheiro em caixa para reajuste salarial neste ano, só no ano que vem.

Por André Miranda

11/06/2024 às 00:42:23 - Atualizado h√°
Foto: G1 - Globo
Governo dirá que não há dinheiro em caixa para reajuste salarial neste ano, só no ano que vem. Nesta segunda, o presidente Lula afirmou que a greve já está durando tempo demais. O governo federal encara esta semana como decisiva para a greve de professores e técnicos de universidades federais e prepara propostas de reajustes para apresentar para a categoria em reuniões que vão ocorrer a partir desta terça-feira (11), em Brasília.

As paralisações, que começaram em abril, são motivadas por demandas de reestruturação de carreira, recomposição salarial e orçamentária, além da revogação de normas aprovadas nos governos dos ex-presidentes Michel Temer e Jair Bolsonaro.

A ministra Esther Dweck, da Gestão, passou a tarde de segunda (10) reunida com técnicos da pasta para fechar o que será oferecido aos professores e técnicos.

O governo dirá que não há dinheiro em caixa para reajuste salarial neste ano, só no ano que vem (veja detalhes mais abaixo). Mas deve conseguir garantir revogação de algumas medidas de governos anteriores e reestruturação da carreira.

Em um encontro realizado nesta segunda-feira (10) no Palácio do Planalto, com a presença de reitores de universidades e institutos federais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, juntamente com o Ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou um plano de ação que inclui substanciais investimentos nas instituições. Foram prometidos R$ 5,5 bilhões através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a melhoria e expansão de infraestruturas, incluindo a construção de novos campi e hospitais universitários.

Entidades ligadas às universidade consideram o valor insuficiente.

Durante o anúncio, o presidente Lula fez um apelo aos reitores e aos membros da comunidade acadêmica para que busquem solucionar a greve rapidamente. Ele enfatizou que "a greve tem um tempo para começar e um tempo para terminar" e expressou preocupação com o prejuízo que o prolongamento da greve está causando aos estudantes e ao país.

Propostas para professores e técnicos

Veja abaixo o que o governo deve apresentar nas reuniões da semana.

Para os técnicos, um reajuste dividido em duas parcelas:

9% em janeiro de 2025

5% em abril de 2026

Também será oferecida uma reestruturação de carreira que eleva os ganhos para as faixas salariais mais baixas.

Para professores:

Para os docentes, o governo já assinou um acordo que prevê

um aumento de 9% em janeiro de 2025

3,5% em maio de 2026

Também haverá uma reestruturação na progressão de carreira que resultará em ganhos significativos, especialmente nos estágios iniciais da carreira acadêmica.
Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

O Jornal

© 2024 Copyrigth 2023 - O JORNAL, todos os direitos reservados.
Avenida 9 nº 625 - Sala 8 - Centro - Rio Claro - SP

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

O Jornal